Em Português  In English
Óculos de aviador e livro registo de vôo
Página PrincipalIntrodução da Segunda Guerra MundialHolocausto na Segunda Guerra MundialBiografias da Segunda Guerra MundialEventos da Segunda Guerra MundialArmamento da Segunda Guerra MundialMultimédia da Segunda Guerra Mundial

10 Snipers mais fatais da Segunda Guerra Mundial

// Franco-atiradores foram uma das mais letais armas ao serviço dos exércitos e em especial do Exército Vermelho.

Os atiradores de elite altamente qualificados, conhecidos como snipers (um termo que se originou na Índia britânica para descrever caçadores capazes de apanhar o evasivo pássaro "snipe") tornou-se extremamente importante durante a Segunda Guerra Mundial. Lutando na frente de leste, os soviéticos, em particular, eram atiradores peritos - e visivelmente dominam a lista a seguir.
A União Soviética foi o único país que tinha expressamente treinado unidades de atiradores na década que antecedeu a Segunda Guerra Mundial, e a sua superioridade (com a excepção óbvia do atirador do topo do ranking na lista) é claramente visível pelos números ao lado dos nomes dos atiradores. Atiradores especialistas como Vasily Zaytsev - que supostamente matou 225 soldados durante a batalha de Estalingrado - provou além de qualquer dúvida o seu imenso valor para as suas forças militares durante a guerra. Na sequência, a sua importância foi para nunca mais ser subestimada.
 
10. Stepan Vasilievich Petrenko: 422 mortes
Durante a Segunda Guerra Mundial, a União Soviética tinha atiradores mais experientes do que qualquer outro país da Terra. Devido à sua formação contínua e desenvolvimento ao longo dos anos 1930, enquanto outras nações descontinuaram as suas equipas de snipers especializados, a URSS podia-se gabar de ter os atiradores mais bem treinados do mundo. Stepan Vasilievich Petrenko foi entre essa elite. As suas 422 mortes confirmadas são o testemunho tanto da sua pontaria individual como da eficácia do programa de treino soviético - o que permitiu que os seus atiradores de elite trabalhassem perfeitamente ao lado das forças regulares em situações de combate, mais do que os de outras nações.
 
9. Vasilij Ivanovich Golosov: 422 mortes
Como sugerido, durante a Segunda Guerra Mundial e o período precedente, em termos de talento de atiradores furtivos das suas tropas, a União Soviética foi o país mais avançado do mundo. Doutrina militar muito dedicada ao uso de franco-atiradores, que foram capazes de fornecer fogo de supressão de longo alcance e capaz de eliminar os líderes inimigos no campo de batalha. Durante a guerra, 261 atiradores soviéticos - e mulheres - cada um com mais de 50 mortes - foram agraciados com o título de ilustre atirador. Vasilij Ivanovich Golosov foi um dos homenageados e faz esta lista com 422 mortes confirmadas, um número que inclui 70 outros atiradores mortos em batalha.
 
8. Fyodor Trofimovich Dyachenko: 425 mortes
Como mais uma prova do alcance da máquina de guerra soviética, acredita-se que durante a Segunda Guerra Mundial 428.335 indivíduos tenham recebido treino para franco-atirador do Exército Vermelho, e dessas 9.534 obtiveram qualificações de nível superior nessa arte mortal (que tão efetivamente tinham como alvo difíceis de substituir oficiais inimigos em combate). Fyodor Trofímovitch Dyachenko era um desses estagiários que se destacaram. Um herói soviético com 425 mortes confirmadas, recebeu o Distinguished Service Cross de "heroísmo extraordinário em ligação com operações militares contra um inimigo armado."
 
7. Fyodor Matveyevich Okhlopkov: 429 mortes
Fyodor Matveyevich Okhlopkov, um dos atiradores mais temidos e reverenciados da URSS, era da etnia Yakut, nascido na aldeia de Krest-Khaldzhay na República Sakha, na periferia da União Soviética. A história diz que depois que ele e o seu irmão se alistaram no Exército Vermelho juntos, o irmão de Fyodor foi morto em combate. Fyodor jurou vingá-lo - e passou a acumular 429 mortes como um franco-atirador, para além dos mortos com uma metralhadora. Entre atiradores mais valiosos de seu país, Okhlopkov foi condecorado como Herói da União Soviética em 1965 e também recebeu a Ordem de Lenin. Um navio de carga foi nomeado com o seu nome em 1974.
 
6. Mikhail Ivanovich Budenkov: 437 mortes

 
É difícil ignorar o quão inestimável arma eram os franco-atiradores para o Exército soviético durante a Segunda Guerra Mundial. Então inestimável que, de acordo com algumas fontes, um mínimo de um atirador poderia normalmente ser encontrado em ambos os pelotões de infantaria e de reconhecimento. Mikhail Ivanovich Budenkov estava entre os atiradores que fez uma marca que poucos puderam aspirar. Um atirador de elite extremamente bem sucedido com 437 mortes em seu nome - o número não inclui as vidas que ele alegou usando uma metralhadora - ele é a prova de formação formidável dos soviéticos e compromisso com a causa durante a guerra.
 
5. Vladimir Nikolaevich Pchelintsev: 456 mortes
Snipers soviéticos, como é evidenciado nesta lista, dominam as estatísticas de mortes durante a Segunda Guerra Mundial. Isso pode ser atribuído não só à sua habilidade e destreza com uma espingarda, mas também ao seu conhecimento do terreno em que eles lutaram e capacidade de se misturar com a paisagem para se esconder do inimigo (ajudado pelo facto de que na maior parte do tempo os alemães avançavam para áreas familiares aos soviéticos). Entre esses homens qualificados e experientes, Vladimir Nikolaevich Pchelintsev foi um dos de elite, depois de ter despachado 456 homens durante os combates.
 
4. Ivan Nikolayevich Kulbertinov: 489 kills
Diferentemente da maioria dos outros países durante a Segunda Guerra Mundial, a União Soviética tinha unidades de sniper, que podiam incluir mulheres. Em 1942, dois cursos de meio ano de duração exclusivamente para mulheres produziu cerca de 55.000 snipers, e em 1943, no auge da guerra, estima-se que havia 2.000 mulheres activas neste papel. Destes, Lyudmila Lyudmila Pavlichenko foi a figura principal, depois de ter morto 309 soldados durante a guerra. Pavlichenko tornou-se uma lenda, tanto na URSS como no mundo, mas alguns homens menos conhecidos superaram as suas façanhas. Ivan Nikolayevich Kulbertinov era um tal indivíduo. Embora menos famoso do que seu par do sexo feminino, ele leva o seu lugar nesta lista em virtude das 489 mortes a ele atribuídas.
 
3. Nikolay Yakovlevich Ilyin: 494 mortes
Um filme de Hollywood de 2001 chamado Enemy at the Gates foi feito sobre o famoso atirador russo Vasily Zaitsev. Estrelado por Jude Law, Rachel Weisz e Ed Harris, o filme retrata os acontecimentos em torno da Batalha de Estalingrado de 1942-1943. Um filme nunca foi feito sobre Nikolay Yakovlevich Illyin, mas a sua contribuição para o esforço de guerra soviético era tão, se não mais, importante. Matar 494 soldados inimigos (às vezes listadas como 497), Ilyin era um atirador mortal e outro tributo à perícia de franco-atiradores Soviética.
 
2. Ivan Mihailovich Sidorenko: perto das 500 mortes
Ivan Mihailovich Sidorenko, saído de uma família de camponeses, foi recrutado em 1939 no início da II Guerra Mundial. Durante a Batalha de Moscovo em 1941, aprendeu sozinho a ser franco-atirador e tornou-se conhecido como um homem armado com um objectivo mortal. Sidorenko passou a tornar-se numa das armas principais franco-atiradoras dos soviéticos, e seu país fez bom uso dele tanto como um exímio atirador como professor. Uma de suas façanhas mais famosas foi destruir um tanque e três outros veículos usando munição incendiária. No entanto, após uma lesão sofrida na Estónia, o seu papel nos anos seguintes foi principalmente como um instrutor. Em 1944 Sidorenko foi agraciado com o prestigioso título de Herói da União Soviética.
 
1. Simo Häyhä: 542 mortes(705 não confirmadas)
Simo Häyhä, um finlandês, é o único soldado não-soviético nesta lista. Apelidado de "Morte Branca" pelas tropas do Exército Vermelho - a quem ele atormentou, vestido com a sua camuflagem de neve, durante a muito fria Guerra de Inverno de 1939-1940 - Häyhä é, de acordo com as estatísticas, o atirador mais letal da história. Antes de entrar para a guerra, ele era um fazendeiro e - o que, certamente, ajudaria para o que estava para vir - um caçador. A casa da família de Häyhä estava cheia de troféus que recebeu pela sua pontaria absoluta. Incrivelmente, ele preferiu usar o ferro em vez de mira telescópica, o que garantiu que ele aparentava-se menos com um alvo de atiradores inimigos (embora, mesmo assim, ele sofreu uma desfiguração no seu rosto depois de ser atingido por uma bala inimiga). Quando lhe foi perguntado em 1998 (pouco antes do fim da sua longa vida, ele morreu aos 96 anos) como ele havia se tornado um bom atirador tal, ele respondeu simplesmente: "prática".

Fonte:
MilitaryEducation.org


 » Classif.: 
 »  2,98 (322 votos)

Comentários
Código da Validação:




Código da ValidaçãoRefrescar Código

» Regras de Utilização
[Fechar]
TextoMultimédia da Segunda Guerra MundialLoja
Anterior 1/10 Próxima
Opções
Tamanho da letra » A+ / a- Imprimir » Imprimir
Comentar » Comentar Ver Comentários » Ver Comentários
Newsletter
Loja
  Amazon.com

  ebay.com

Estatísticas

Números do Site:
#Artigos: 187
#Multimédia: 772
#Cronologia: 538
Comentários