Em Português  In English
«Dog Tag» de um soldado do exército dos Estados Unidos
Página PrincipalIntrodução da Segunda Guerra MundialHolocausto na Segunda Guerra MundialBiografias da Segunda Guerra MundialEventos da Segunda Guerra MundialArmamento da Segunda Guerra MundialMultimédia da Segunda Guerra Mundial

Batalha de Inglaterra

// Informações sobre a Batalha de Inglaterra.

Apesar de tudo isto, o poder aéreo alemão encontrava-se agora no seu ponto culminante:


 
  • 11 grupos de caças de combate (1.300 Messerschmitt109);
  • 2 grupos de caças-bombardeiros de combate e bombardeio (180 Messerschmitt 110);
  • 10 grupos de bombardeiros (1.350 - Heinkel 111, Junker 88, Dornier 17).

Perfazendo um total de 2.830 aviões.

Com equipas treinadas e experientes, que já conheciam o sabor da vitória, a Luftwaffe entrou na Batalha da Inglaterra confiante no seu sucesso. Duas frotas aéreas participaram: a primeira, comandada pelo Marechal-de-Campo Kesselring (com quartel-general em Bruxelas), e a segunda, comandada pelo Marechal-de-Campo Sperrle (com quartel-general em Paris). No dia 2 de Julho, o alto comando alemão deu ordens destinadas a abrir o caminho para a invasão do Reino Unido. Duas metas foram definidas:

  • A interdição do canal da Mancha para a marinha mercante, a ser obtida em conjunção com as forças navais alemãs, através do ataque contra os comboios, a destruição das instalações portuárias e a colocação de minas nas áreas dos portos e nos seus caminhos de acesso.
  • A destruição da RAF (Royal Air Force).

Para frustrar esse plano, o Comando de Caças possuía (no dia 8 de Agosto) cerca de seiscentos ou setecentos caças, organizados em 55 esquadrões operacionais, incluindo seis com aviões de combate nocturno (Blenheims), que não participavam das operações diurnas. A grande maioria dos aviões eram Hurricanes, cerca de um quinto eram Spitfires e havia ainda dois esquadrões de Defiants. Foi graças aos esforços de Lorde Beaverbrook, ministro da Produção Aérea, que a força aérea britânica cresceu bastante, de maneira que em 30 de Setembro dispunham de 59 esquadrões (sendo oito de aviões de combate nocturno). A Batalha da Inglaterra teve início no dia 10 de Julho, quando bombardeiros alemães atacaram comboios mercantes no canal da Mancha. Uma semana mais tarde (16 de Julho), Hitler deu as suas instruções para a Operação Leão-Marinho. Os preparativos deveriam estar terminados até meados de Agosto. Entre eles, estava a nomeação, por parte de Heydrich, do coronel das SS, Professor Six, para o cargo de representante da policia de segurança (Gestapo) na Grã-Bretanha.

No canal da Mancha ocorreram intensos ataques alemães contra comboios mercantes entre os dias 8 e 12 de Agosto. Em seguida, os alemães desviaram a sua atenção para os campos onde os caças estacionavam (no Sul e no Sudeste do território britânico). No entanto, apesar de terem causado muitos danos, não estavam a obter os resultados previamente delineados. No decorrer dos dez primeiros dias da campanha de Agosto, a Luftwaffe teve perdas muito superiores às da RAF, que perdeu apenas 153 aviões. As perdas inglesas consistiam em caças monopostos. O inimigo perdeu muitos bombardeiros, que levavam uma tripulação de cinco pessoas, e também muitos caças bipostos. Nas intensas batalhas do dia 15 de Agosto, os alemães perderam um total de 76 . O Spitfire apresentava um desempenho consideravelmente superior ao do Messerschimitt 109, ao passo que o Messershimitt 110 era mais rápido do que o Spitfire, mas apresentava dificuldades quanto à manobrabilidade. O Hurricane, um aparelho mais lento, estava mostrando o seu valor contra os bombardeiros alemães.

Seria absurdo subestimar o valor e a habilidade dos pilotos da Luftwaffe, entre os quais se encontravam ases como Galland e Moelders. A verdade é que os pilotos dos caças ingleses conscientes de que a vitória dependia da sua coragem e tenacidade, demonstraram ainda mais iniciativa e arrojo do que os seus adversários. Ocorreram muitos casos em que um avião foi atingido e o piloto se salvou saltando de pára-quedas, voltando a lutar com outro avião ainda no mesmo dia. Havia a vantagem do desempenho em áreas domésticas, pois muitos pilotos da RAF obrigados a abandonar seus aparelhos - mesmo os que caíam no mar -, podiam ser resgatados. O controlo organizacional do Comando de Caças, sob as ordens do Vice-Marechal-do-Ar Sir Hugh Dowding, e do 11º Grupo de Caças, sob o comando do Vice-Marechal-do-Ar Park, pouco deixou a desejar.

O desenvolvimento do radar deu ao Reino Unido uma grande vantagem, no sentido de poder distinguir entre as falsas e verdadeiras ofensivas alemãs, de modo que pudessem empregar seus recursos da melhor maneira possível. Os alemães aumentaram então a proporção de caças em relação aos bombardeiros e, após uma breve pausa, desferiram onze grandes ataques no decorrer dos cinco primeiros dias de Setembro. Dessa vez, os alvos foram as bases aéreas de caças situadas no interior do país e fábricas de aviões. As baixas estavam começando a fazer com que os alemães perdessem de vista seu verdadeiro objetivo, ou seja, a destruição da RAF. Na momento em que começaram a modificar os seus alvos, foram derrotados, se bem que não se tivesse essa impressão na ocasião.
 

Anterior 2/3 Próxima
 Veja o texto completo do artigo.



 » Classif.: 
 »  2,63 (67 votos)

Comentários
Código da Validação:




Código da ValidaçãoRefrescar Código

» Regras de Utilização
[Fechar]
TextoMultimédia da Segunda Guerra MundialLoja
Anterior 1/19 Próxima
Opções
Tamanho da letra » A+ / a- Imprimir » Imprimir
Comentar » Comentar Ver Comentários » Ver Comentários
Newsletter
Loja
  Amazon.com

  ebay.com

Estatísticas

Números do Site:
#Artigos: 187
#Multimédia: 772
#Cronologia: 538
Comentários