Em Português  In English
Óculos de aviador e livro registo de vôo
Página PrincipalIntrodução da Segunda Guerra MundialHolocausto na Segunda Guerra MundialBiografias da Segunda Guerra MundialEventos da Segunda Guerra MundialArmamento da Segunda Guerra MundialMultimédia da Segunda Guerra Mundial

Declaração de Guerra dos EUA ao Japão

// Informação sobre o pedido de declaração de guerra dos Estados Unidos contra o Japão.

Depois de receber notícias sobre o ataque a Pearl Harbor, Roosevelt encontrou-se com os seus acessores militares e, depois disso, escreveu o primeiro rascunho do pedido ao Congresso de declaração de guerra ao Japão.

Depois do primeiro rascunho, o Presidente fez à mão algumas alterações e criou a versão final do seu discurso. Uma das frases mais famosas do discurso, uma data que viverá na infâmia, não estava no primeiro rascunho; estava uma data que viverá na história mundial.

A 8 de Dezembro de 1941, no dia seguinte às forças japonesas terem atacado a base militar americana em Pearl Harbor, Havai, Franklin Roosevelt dirigiu-se ao Congresso com um dos discursos ao Congresso mais famosos da história e solicitou a Declaração de Guerra ao Japão.

Às 12:30 da tarde, Roosevelt começou o discurso.
 

«Sr. Vice Presidente, e Sr. Presidente, e Membros do Senado, da Casa dos Representantes:

Ontem, 7 de Dezembro de 1941, uma data que viverá na infâmia, os Estados Unidos da América foram supreendidos e deliberadamente atacados pelas forças navais e aéreas do Império do Japão.

Os Estados Unidos estavam em paz com essa nação e, a pedido do Japão, estava-se ainda em conversações com o seu Governo e o seu Imperador, procurando manter a paz no Pacífico. Efectivamente, uma hora depois dos esquadrões aéreos japoneses começarem a bombardear Oahu, o Embaixador Japonês nos Estados Unidos e o seu colega, entregaram ao Secretário de Estado uma resposta formal à recente mensagem norte-americana. Enquanto que esta resposta referia que parecia inútil continuar com as negociações diplomáticas existentes, não continha a possibilidade de um golpe de guerra ou de um ataque armado.

É de registar que, dada a distância do Havai ao Japão, parece óbvio que o ataque ter sido deliberadamente planeado desde há muitos dias ou mesmo semanas atrás. Durante o ataque, o Governo Japonês procurou deliberadamente enganar os Estados Unidos com afirmações falsas e expressões de esperança na continuação da paz.

O ataque de ontem às Ilhas do Havaianas causou sérios danos às forças navais e militares norte-americanas. Perderam-se muitas vidas norte-americanas. Adicionalmente, foi relatado que alguns navios norte-americanos foram torpedeados em alto-mar, entre São Francisco e Honolulu.

Ontem o Governo Japonês também lançou um ataque contra a Malásia.
Esta noite, forças japonesas atacaram Hong Kong.
Esta noite, forças japonesas atacaram Guam.
Esta noite, forças japonesas atacaram as Ilhas das Filipinas.
Esta noite, forças japonesas atacaram a Ilha de Midway.

Portanto, o Japão iniciou uma ofensiva surpresa extendendo-se a toda a área do Pacífico. Os factos de ontem falam por si. O povo dos Estados Unidos já formaram as suas opiniões e compreendem bem as implicações para a própria vida e segurança da nação.

Como Comandante-em-Chefe do Exército e Marinha eu ordenei que sejam tomadas todas as medidas para a nossa defesa. Îremo sempre recordar o carácter do ataque perpetrado contra nós. Não importa o quanto irá demorar para superar esta invasão premeditada, o povo norte-americano no seu justo poder vencerá até à vitória absoluta.

Acredito que interpreto a vontade do Congresso e do povo, quando asseguro que não só nos iremos defender até ao impossível mas iremos assegurar que esta forma de traição nunca mais nos volte a ameaçar. As hostilidades existem. Não existem dúvidas no facto do nosso povo, o nosso território, e os nossos interesses estarem em grande perigo.

Com confiança nas nossas forças armadas - com a grande determinação do nosso povo - nós iremos alcançar o triunfo inevitável - por isso, Deus ajuda-nos.

Eu peço ao Congresso para declarar, que devido ao não provocado ataque cobarde do Japão no Domingo 7 de Dezembro, existe um estado de guerra entre os Estados Unidos e o Império do Japão.

Franklin D. Roosevelt, Casa Branca
8 de Dezembro de 1941»


 

 

O Senado e a Casa dos Representantes aprovou a declaração de guerra quase por unanimidade - a congressista pacifista Jeannette Rankin de Montana já se tinha tornado o primeiro membro do Congresso a votar não na declaração de guerra à Alemanha e agora na declaração de guerra ao Japão. Finalmente, às 4 e 10 da tarde, Roosevelt assinou a declaração de guerra ao Japão.
 

«Resolução conjunta declarando que um estado de Guerra existe entre o Governo Imperial do Japão e o Governo e o povo dos Estados Unidos e tomada de medidas para proceder da mesma forma.

Visto que o Governo Imperial do Japão cometeu actos de guerra não provocados contra o Governo e o povo dos Estados Unidos da América:

Será pois Determinado pelo Senado e Casa dos Representantes dos Estados Unidos da América em Congresso acordado, Que o estado de guerra entre os Estados Unidos e o Governo do Japão que foi imposto aos Estados Unidos está pois formalmente declarado; e que o Presidente está por este meio autorizado e designado a empregar todas as forças navais e militares dos Estados Unidos e os recursos do Governo para levar a cabo a guerra com o Governo Imperial do Japão; e, para levar o conflito a um fim bem sucedido, todos os recursos do país estão pois garantidos pelo Congresso dos Estados Unidos.

Aprovado, 8 de Dezembro de 1941, 16:10 E.S.T.»


Três dias mais tarde, a 11 de Dezembro, ambos os aliados do Japão, Alemanha e Itália, declaram guerra aos Estados Unidos. O Congresso Norte-Americano responde imediatamente declarando guerra aos mesmos.


Fonte:
Franklin D. Roosevelt Presdential Library and Museum


 » Classif.: 
 »  2,76 (97 votos)

Comentários
Código da Validação:




Código da ValidaçãoRefrescar Código

» Regras de Utilização
[Fechar]
Celso Carlos
17 de April 2013 às 14:44:21
» Responder
» Permalink
Não à Guerra. Celso Carlos
Henrique
19 de April 2013 às 12:26:24
» Responder
» Permalink
Ainda houve quem votasse contra o contra ataque. Iria cometer um erro fatal. Assim é no Brasil. Há quem vote contra a pena de morte e prisão perpétua. Erro fatal.
Dario Giordano
17 de December 2013 às 08:14:34
» Responder
» Permalink
Obrigado pela ajuda. Precisava de um modelo de declaração de guerra para meu livro O ÚLTIMO MENSAGEIRO DE DEUS. Lançamento fins janeiro em Balneário Camboriú, SC
vinicius
17 de July 2015 às 13:09:09
» Responder
» Permalink
bom seria si pudesse poupar as vidas inocentes
Anterior 1/1 Próxima
TextoMultimédia da Segunda Guerra MundialLoja
Anterior 1/4 Próxima
Opções
Tamanho da letra » A+ / a- Imprimir » Imprimir
Comentar » Comentar Ver Comentários » Ver Comentários
Newsletter
Loja
  Amazon.com

  ebay.com

Estatísticas

Números do Site:
#Artigos: 187
#Multimédia: 772
#Cronologia: 538
Comentários