Em Português  In English
Selo com busto de Adolf Hitler
Página PrincipalIntrodução da Segunda Guerra MundialHolocausto na Segunda Guerra MundialBiografias da Segunda Guerra MundialEventos da Segunda Guerra MundialArmamento da Segunda Guerra MundialMultimédia da Segunda Guerra Mundial

Merkel visita campo de concentração de Dachau

// A chanceler alemã é a primeira a entrar no local do centro nazi para a detenção de 'indesejáveis', onde mais de 41 mil pessoas morreram.

A visita foi solene mas simples, e só parte foi aberta aos media. Angela Merkel disse apenas algumas palavras: "Este é o momento muito especial". "A memória destes destinos [das vítimas] enche-me de profunda tristeza e vergonha".
 
Merkel foi a primeira chanceler em exercício a visitar o campo de Dachau, a noroeste de Munique, Baviera, mas tinha já visitado outros campos, por exemplo o de Buchenwald com o Presidente norte-americano, Barack Obama. E há três anos o então presidente alemão, Horst Köhler, tinha participado nas comemorações de 65 anos sobre a libertação de Dachau por tropas norte-americanas.
 
Dachau foi estabelecido como campo de concentração logo em Março de 1933, e foi para ali que o regime recém criado mandou vários opositores políticos. Ficou conhecido como "a escola da violência" por ter sido o modelo para os outros campos.
 
Durante a II Guerra Mundial, estiveram presas em Dachau mais de 200 mil pessoas: judeus, homossexuais, ciganos, deficientes, prisioneiros de guerra, opositores políticos. Mais de 41 mil morreram: assassinados, de doença, ou de fome.
 
Hoje é o campo mais visitado da Alemanha: 800 mil visitante por ano.

 
 
A ida de Merkel a Dachau a meio de um périplo pré-eleitoral pelo país causou polémica, com acusações de mau gosto: pouco depois da visita apareceu, sorridente, com a inevitável caneca de cerveja na mão, numa acção de campanha. A Baviera tem eleições a 15 de Setembro 2013, dias antes das nacionais, a 22.
 
O jornal Süddeutsche Zeitung, de Munique, comentava que era "pouco sensato" da parte da chanceler visitar o campo antes de uma ida a uma tenda de cerveja.
 
Os líderes judaicos, pelo seu lado, elogiaram a decisão. O presidente da comissão de campos de Dachau, Max Mannheimer, 93 anos, que acompanhou Merkel, disse que a visita "histórica" é "um sinal de respeito pelos antigos detidos".
 
Já o historiador Michael Wolffsohn, da Universidade das Forças Armadas de Munique, sublinha que seria difícil que uma acção relacionada com o passado nazi trouxesse alguma vantagem eleitoral. Mas nota o facto de uma chanceler, candidata à reeleição (terceiro mandato), marcar uma visita destas, no auge da campanha, "sem isto representar um risco político": "É sinal de que a relação da Alemanha com a sua história está a ficar mais relaxada".
 
Munique está a ser o palco do julgamento do grupo de neonazis da chamada célula de Zwickau, que levaram a cabo uma série de assassínios, durante dez anos, sem serem descobertos. Karl Freller, director dos memoriais históricos da Baviera, notou que o interesse nos campos de concentração aumentou desde o início do processo, em Maio.

Fonte:
Público


 » Classif.: 
 »  2,66 (32 votos)

Comentários
Código da Validação:




Código da ValidaçãoRefrescar Código

» Regras de Utilização
[Fechar]
TextoMultimédia da Segunda Guerra MundialLoja
Opções
Tamanho da letra » A+ / a- Imprimir » Imprimir
Comentar » Comentar Ver Comentários » Ver Comentários
Newsletter
Loja
  Amazon.com

  ebay.com

Estatísticas

Números do Site:
#Artigos: 187
#Multimédia: 772
#Cronologia: 538
Comentários