Em Português  In English
Capacete de soldado de infantaria alemão
Página PrincipalIntrodução da Segunda Guerra MundialHolocausto na Segunda Guerra MundialBiografias da Segunda Guerra MundialEventos da Segunda Guerra MundialArmamento da Segunda Guerra MundialMultimédia da Segunda Guerra Mundial

George Smith Patton

1885-1945

// Biografia completa do General Patton.

O furacão blindado

Nascido em Lake Vineyard Ranch (Califórnia), a 11 de Novembro de 1885, ingressa na Academia de West Point aos vinte anos de idade, sendo o primeiro do seu curso. A sua autêntica lenda militar começa a forjar-se em 1916, ao participar na expedição do general Pershing ao México para combater contra as forças do mítico Pancho Villa. No ano seguinte desembarca com a American Expeditionary Force em plena Primeira Grande Guerra.

 

Veterano da Grande Guerra


 

Em começos de 1918 é promovido a comandante, organizando em Langres o primeiro centro de treinos para carros de combate do Exército norte-americano. Fica gravemente ferido na frente em 25 de Setembro, quando tentava conquistar uma colina ocupada pelos alemães acompanhado por apenas um soldado.

N altura, Patton já é odiado por todos os seus homens. Os métodos pouco ortodoxos serão uma constante ao longo da sua carreira militar. Para ele, como apaixonado da histórica bélica, a guerra é a máxima expressão de um ideal. Como o próprio não se cansará de repetir, não pode compreender a vida sem um campo de batalha.


Desembarque no Norte de África

Patton entra em cena na Segunda Grande Guerra em 1943, no Norte de África, durante a Operação Tocha, ao comando do II Corpo do Exército.

Depois da derrota sofrida pelos norte-americanos no seu primeiro encontro com os alemães, no funesto combate da Passagem de Kasserine, Patton assume o comando do II Corpo do Exército, terminando vitoriosamente a campanha.

Ao comando do VII Exército toma parte activa na invasão da Sicília, capturando Messina antes do seu rival pessoal e aliado na frente, o britânico Montgomery, com quem manterá um duelo para obter a glória e as honras da opinião pública anglo-norte-americana.

Será precisamente na Sicília que Patton protagoniza um incidente que fez tremer a sua carreira. Esbofeteou um soldado que sofria de fadiga de combate, e Eisenhower, debaixo de fortes pressões, teve que ordenar uma investigação oficial.

O assunto chegou à Imprensa, tendo desencadeado nos Estados Unidos um notável escândalo. Até autoridades importantes chegaram a pedir que comparecesse num conselho de guerra. No dia 1 de Janeiro de 1944, Patton era substituído como comandante do VII Exército.

Já no final, o acontecimento custar-lhe-á a ausência no Dia D, nas praias normandas, um luxo que os próprios alemães jamais chegaram a acreditar, pois sempre pensaram que Patton comandaria os carros aliados durante a invasão.

Um mês depois de terem lugar os desembarques na Normandia, Eisenhower reabilita-o, colocando-o à frente do III Exército, sob ordens de um seu antigo subordinado e amigo, o general Omar Bradley.

 

Anterior 1/2 Próxima
 Veja o texto completo do artigo.



 » Classif.: 
 »  2,26 (39 votos)

Comentários
Código da Validação:




Código da ValidaçãoRefrescar Código

» Regras de Utilização
[Fechar]
Pedro Felipe
17 de December 2013 às 14:59:08
» Responder
» Permalink
Patton foi sensacional no oficio da guerra, em minha opinião obteve êxito em suas campanhas com a sua famosa estratégia de sopa de pedras além de ter poucas baixas em seus pelotões, Patton e Zhukov com certeza foram os generais mais temidos pelos alemães na II Guerra.
Anterior 1/1 Próxima
TextoMultimédia da Segunda Guerra MundialLoja
Anterior 1/2 Próxima
Opções
Tamanho da letra » A+ / a- Imprimir » Imprimir
Comentar » Comentar Ver Comentários » Ver Comentários
Newsletter
Loja
  Amazon.com

  ebay.com

Estatísticas

Números do Site:
#Artigos: 187
#Multimédia: 772
#Cronologia: 538
Comentários