Em Português  In English
Estrela de David usada pelos judeus na Holanda
Página PrincipalIntrodução da Segunda Guerra MundialHolocausto na Segunda Guerra MundialBiografias da Segunda Guerra MundialEventos da Segunda Guerra MundialArmamento da Segunda Guerra MundialMultimédia da Segunda Guerra Mundial

Theresienstadt

// Theresienstadt era o modelo de Gueto para Hitler e regime nazi.

A 24 de Novembro de 1941, o campo de concentração de Theresienstadt, também conhecido como Gueto de Theresienstadt, foi criado pelos nazis. Theresienstadt (Terezin como chamado pelos checos) era uma cidade de guarnição no noroeste da Checoslováquia (mais ou menos a 60 km de Praga). O modelo de Gueto de Hitler existiu por três anos e meio, até que foi libertado a 8 de Maio de 1945 por tropas soviéticas.

Durante a sua existência, mais de 155 mil judeus passaram pelo campo dos quais 35,440 pereceram no gueto e 88,000 foram deportados de comboio, principalmente, para os campos de extermínio de Treblinka e Auschwitz, na Polónia.
 
O Imperador José II da Áustria fundou Terezin no final do século XVIII (entre os anos de 1780 e 1790), como um sistema de fortalezas robusto para proteger a Bohemia do noroeste.
O núcleo do sistema é uma Fortaleza Principal contendo uma cidade, o Pequeno Forte à frente, e uma extensão de terreno fortificada. Toda a área fortificada ocupa 67 hectares, não incluindo uma bacia artificial alagável de 158 hectares. A parte oriental da cidade foi construída num terreno pântanoso usando pilhas de carvalho e grades preenchidas com pedra.
 
A 10 de Junho de 1940, a Gestapo tomou o controlo de Terezin e criou a prisão no Pequeno Forte. A 24 de Novembro de 1941, a Fortaleza Principal foi transformada num gueto. Para fora, foi apresentado pelos nazis como um assentamento modelo judeu, mas na realidade era um campo de concentração e campo de trânsito para judeus checos. Apesar de alguns sobreviventes reivindicarem que a população chegou a 75 mil, os registos oficiais colocam como valor mais elevado, a 18 de Setembro de 1942, nos 58.491 em Kasernes (casernas) projetado para acomodar 7.000 tropas de combate.
 
O campo foi estabelecido sob a ordem das SS-Reichssicherheitshauptamt (RSHA) em 1941. A administração do campo principal estava sob a autoridade das SS-Wirtschafts-Verwaltungshauptamt (WVHA), que supervisionavam os oficiais da SS e os soldados que eram responsáveis pela administração do campo. A segurança dentro do campo era feita por batalhões de guardas das SS-TV e as tropas do batalhão de polícia do Ordnungspolizei. Uma força policial interna, dirigida pelos próprios prisioneiros judeus, era conhecida por Ordnungsdienst e respondia diretamente para as SS. O campo também fez uso de guardas da Polícia Local checa que colaboraram com os alemães na escravidão, deportação e assassinato de judeus.
Durante a existência do campo, três oficiais serviram como Comandantes do campo: Siegfried Seidl, Burger Anton, e Rahm Karl.
 
Como noutros guetos pela Europa, um Conselho Judeu governava o gueto. Em Theresienstadt isso era conhecido como o "Conselho de Cultura" e, eventualmente, conhecida pelos moradores como o "auto-governo judaico de Theresienstadt". Três anciões controlaram o gueto:
  • Jakob Edelstein - polaco e ex-chefe da comunidade judaica de Praga; deportado e morto em Auschwitz;
  • Paul Eppstein - alemão e presidente da Reichsvereinigung der Juden na Alemanha, morto depois de ter informado as pessoas que estavam a deportadas do que as esperava "Leste";
  • Benjamin Murmelstein - Rabi de Viena;
  • Jirí Vogel.
Theresienstadt serviu como uma importante forma de propaganda para os alemães. O objetivo declarado publicamente para a deportação dos judeus da Alemanha era a sua "relocalização para o Leste", onde eles seriam obrigados a realizar trabalhos forçados. Sendo que parecia improvável que os judeus idosos pudessem ser usados em trabalhos forçados, os nazis usavam o gueto de Theresienstadt para esconder a natureza das deportações. Na propaganda nazi, Theresienstadt foi cinicamente descrito como uma "cidade-spa", onde judeus alemães idosos se poderiam "aposentar" em segurança. As deportações para Theresienstadt foram, no entanto, parte da estratégia nazi de distração. O gueto era na realidade um centro de recolha para deportações para guetos e centros de extermínio na ocupação nazi da Europa Oriental.
 
Apesar das terríveis condições de vida e a constante ameaça de deportação, Theresienstadt teve uma vida cultural altamente desenvolvida. Destacados artistas judeus, principalmente da Checoslováquia, Áustria e Alemanha, criaram desenhos e pinturas, alguns deles representações clandestinas da dura realidade do gueto. Escritores, professores, músicos e actores deram palestras, concertos e peças de teatro. O gueto mantinha uma biblioteca de 60 mil volumes.

 
Quinze mil crianças passaram por Theresienstadt. Embora proibido de fazê-lo, elas frequentavam a escola. Elas pintaram imagens, escreveram poesia, e de certa forma tentaram manter um vestígio da normalidade. Cerca de 90 por cento destas crianças morreram em campos de extermínio.
 
Ao sucumbir à pressão após a deportação de judeus dinamarqueses para Theresienstadt, os alemães permitiram a Cruz Vermelha Dinamarquesa e a Cruz Vermelha Internacional a visitar a 23 Junho de 1944, também a fim de dissipar rumores sobre os campos de extermínio. Foi tudo uma farsa elaborada. Os alemães intensificaram as deportações do gueto pouco antes da visita, eo  gueto em si foi "embelezado". Jardins foram plantados, casas pintadas e casernas renovadas. Os nazistas encenaram eventos sociais e culturais para os dignitários visitantes.
O grupo da Cruz Vermelha incluiu E. Juel-Henningsen, o médico-chefe do Ministério da Saúde dinamarquês, e Franz Hvass, o alto funcionário do Ministério dinamarquês dos Negócios Estrangeiros. Dr. Paulo Eppstein foi instruído pela SS para aparecer no papel do presidente da câmara de Theresienstadt.
Uma vez acabada a visita, os alemães retomaram as deportações de Theresienstadt, o que só terminou em Outubro de 1944.
Além de usar Theresienstadt como um modelo para a Cruz Vermelha, os nazis também fizeram lá um filme de propaganda. A produção do filme começou a 26 de Fevereiro de 1944. Dirigido pelo prisioneiro judeu Kurt Gerron (um diretor, dançarino de cabaré e o actor que apareceu com Marlene Dietrich em O Anjo Azul), foi concebido para mostrar o quão bem os judeus viviam sob a proteção de "benevolência" do Terceiro Reich.
Depois da filmagem, a maioria do elenco e até mesmo o próprio cineasta acabaram deportados para Auschwitz. Gerron foi assassinado na câmara de gás a 18 de Outubro de 1944. O filme não foi lançado na época, mas foi editado em pedaços e segmentos únicos que permaneceram.
Muitas vezes chamado de O Fuhrer Dá uma Vila Aos judeus, o nome correto do filme é: Theresienstadt. Ein Dokumentarfilm aus dem jüdischen Siedlungsgebiet (Terezin: Um Documentário da Relocalização Judaica).
 
A 1 de Maio de 1945, o controlo do campo foi transferido dos alemães para a Cruz Vermelha. SS Commandant Rahm e o resto da SS fugiram a 5 e 6 de Maio. A 8 de Maio de 1945, Terezín foi libertada pelas tropas soviéticas.
Após a vitória dos Aliados em 1945, Theresienstadt foi usada por guerrilheiros checos e ex-presos para manter pessoal das SS e civis alemães em retaliação pelas suas atrocidades.
Heinrich Jöckel, SS-Hauptsturmführer, o Comandante, enforcado em 1946; Wilhelm Schmidt, enforcado a 12 de Novembro de 1946; Rudolf Burian, supervisor, enforcado em 1946; Anton Malloth (1912-2002), superintendente; Albert Neubauer, supervisor, enforcado em 1946; Stefan Rojko, supervisor, condenado em 1963 pelo Tribunal Distrital de Graz à prisão perpétua por assassinato e abuso resultando na morte de presos políticos e judeus; Kurt Wachholz, supervisor, Tribunal de Berlim Oriental condenou-o à morte em 1968; Viel Julius, no chamado "Julgamento de crimes de guerra de Ravensburg" em 2001, condenado a 12 anos de prisão.
 
Em Julho de 1945 o campo mudou para o controle do Ministério do Interior da Checoslováquia. O novo comandante nomeado foi Otakar Kalal. A partir de 1946, os presos foram progressivamente transferidos para a Alemanha e Terezín mais e mais se transformou num centro para a migração forçada de alemães de terras checas para a Alemanha.
Uma pequena exposição actualmente comemora a história de Terezín como campo de internamento para os alemães.

Fonte:
Wikipedia, USHMM.org


 » Classif.: 
 »  3,00 (11 votos)

Comentários
Código da Validação:




Código da ValidaçãoRefrescar Código

» Regras de Utilização
[Fechar]
TextoMultimédia da Segunda Guerra MundialLoja
Anterior 1/35 Próxima
Opções
Tamanho da letra » A+ / a- Imprimir » Imprimir
Comentar » Comentar Ver Comentários » Ver Comentários
Newsletter
Loja
  Amazon.com

  ebay.com

Estatísticas

Números do Site:
#Artigos: 187
#Multimédia: 772
#Cronologia: 538
Comentários
Últ. Comentários: RSS - Últ. Comentários
pedro henrique tissi dornas: Carta de Gandhi para Hitler
Alan Robert Guiraldino: Trágica Morte de Rommel
Elaine V.Breglia: Anne Frank
Salatiel Neto: Adolf Eichmann