Em Português  In English
Granada de mão alemã
Página PrincipalIntrodução da Segunda Guerra MundialHolocausto na Segunda Guerra MundialBiografias da Segunda Guerra MundialEventos da Segunda Guerra MundialArmamento da Segunda Guerra MundialMultimédia da Segunda Guerra Mundial

Douglas MacArthur

1880-1964

// Biografia completa do General Douglas MacArthur.

O general MacArthur parece ter nascido fadado para a guerra. A sua vida foi uma sucessão de batalhas nos mais variados teatros de guerra; na Primeira Grande Guerra, integrado na Divisão Arco Íris, combateu na Europa; na Segunda Grande Guerra lutou no Extremo Oriente e, anos depois, voltou ao Pacífico para combater na Coreia.

MacArthur não terá esquecido as palavras proferidas pelo então Secretário de Estado da Defesa norte-americano, Elihu Root, no dia 11 de Junho de 1903, data em que terminou o curso na Academia Militar de West Point: Antes que abandonem o Exército, a fazer fé na História, sereis obrigados a combater numa nova guerra.

Nascido a 26 de Janeiro de 1880 em Little Rock, no Arkansas, MacArthur fazia remontar a ascendência dos escoceses MacArthur ao Rei Artur e aos cavaleiros da Távola Redonda. Com a fantasia que lhe era própria, MacArthur justificava os pergaminhos familiares com uma velha máxima escocesa: Nada há de mais antigo, exceptuando as colinas, do que os Mac Artair e o diabo.
 

Uma família de militares

Tal como sucede em relação ao general De Gaule, torna-se difícil imaginar outra carreira para MacArthur que não a das armas. O seu pai, um antigo general, matriculou Douglas na Academia Militar de West Point no dia 13 de Junho de 1889, estabelecimento a que regressaria anos mais tarde como director.

Terminado o curso, em Junho de 1903, foi colocado nas Filipinas, arquipélago a que voltaria por diversas vezes ao longo da sua carreira e que a marcaria em definitivo, já que aí MacArthur viveu os grandes momentos de glória e os dias mais trágicos.

Promovido a tenente, MacArthur foi transferido para Washington, sendo então nomeado ajudante de campo do presidente Teodore Roosevelt, regressando às Filipinas em 1935 tendo a seu cargo a chefia da missão militar norte-americana. Dois anos mais tarde, em 1937, abandona o activo e, não fora o facto de os japoneses atacarem Pearl Harbor, a sua carreira terminaria sem brilho nem glória.

Em Junho de 1941 regressa ao activo para, no momento em que deflagra o conflito nipo-americano, assumir o comando das Forças Armadas dos Estados Unidos no Extremo Oriente.


 


Carreira heróica e gloriosa

Pearl Harbor e a ocupação japonesa das Filipinas marcam uma viragem na vida de MacArthur, lançando-o numa carreira heróica e gloriosa em doses quase suficientes para satisfazer a sua imensa vaidade.

Tentou, usando as defesas que ele próprio criara, impedir o desembarque nipónico nas Filipinas. Só que a força japonesa (comandada por um homem que ele próprio acabaria por condenar à morte) era constituida por 80 mil homens, o dobro dos defensores de Luzón. Mesmo em desvantagem, e sabendo que o seu esforço seria inglório, MacArthur defendeu Bataan e Corregidor até ao fim.

Uma das suas expressões mais célebres espelha bem a tenacidade do general norte-americano: Eles podem ter a garrafa, mas a rolha sou eu quem a tem.

Quando a situação se revelou insustentável recebeu ordens para retirar do terreno, partindo com os seus homens para a Austrália.

Doía-me o coração ao ver os homens, desmoralizados, cobertos de farrapos... Estavam sujos, cheios de piolhos, cheiravam mal, mas eu admirava-os.

Quando Marshall o aconselhou a retirar a mulher e o filho num dos submarinos norte-americanos não hesitou na resposta: Ela ficará comigo até ao fim. Nós bebemos os dois da mesma taça.

Às sete e meia da manhã de 11 de Março um contratorpedeiro esperava-o para o levar até à Austrália. MacArthur, sujo e esgotado tinha perdido doze quilos, dirigiu-se à casa em que habitava a sua mulher e, em voz baixa, limitou-se a dizer: Jane, chegou o momento de partir.

As probabilidades de chegar são e salvo à Austrália eram de sete para uma. Nessa mesma manhã, na rádio japonesa, Rosa de Tóquio afirmava que se MacArthur fosse capturado vivo seria enforcado na Praça Imperial de Tóquio.

 

Anterior 1/3 Próxima
 Veja o texto completo do artigo.



 » Classif.: 
 »  2,47 (58 votos)

Comentários
Código da Validação:




Código da ValidaçãoRefrescar Código

» Regras de Utilização
[Fechar]
antonio
01 de July 2013 às 09:44:07
» Responder
» Permalink
Atravéz de meu pai que foi grande admirador de Mac Arthur tornei-me também admirador o General foi um dos ultímos grandes estadista e pensadores militar
Fernando Silveira
06 de August 2016 às 17:47:04
» Responder
» Permalink
Parabéns pela iniciativa, Douglas MacArthur é um nome que não deve ser esquecido, e sim lembrado como o Grande Bastião da luta contra o Imperialismo japonês, que tanto mal fez a Humanidade. Exemplo de Militar!
Anterior 1/1 Próxima
TextoMultimédia da Segunda Guerra MundialLoja
Anterior 1/5 Próxima
Opções
Tamanho da letra » A+ / a- Imprimir » Imprimir
Comentar » Comentar Ver Comentários » Ver Comentários
Newsletter
Loja
  Amazon.com

  ebay.com

Estatísticas

Números do Site:
#Artigos: 187
#Multimédia: 772
#Cronologia: 538
Comentários